Empregabilidade dos cursos superiores


Lembro-me do ano em que entrei para a Universidade e a história foi mais ou menos a mesma. Na época de decidir a que curso e a que Universidade concorrer são publicadas as estatísticas sobre a empregabilidade dos cursos, mas se na altura acreditei agora os resultados parecem-me demasiado otimistas.

Especialmente na área da Saúde, aquela que conheço, diz-se que Medicina e Enfermagem têm 0% de desemprego. Portanto, todos os anos saem das Universidades imensos médicos e enfermeiros, o país diz que não tem lugar para eles e são obrigados a emigrar. Isto quando o Sistema de Saúde precisa quase desesperadamente de médicos, enfermeiros e não só, até porque os Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica são um pouco deixados para trás. Ou seja, ou ex-alunos de Saúde não se andam a inscrever no Centro de Emprego mesmo quando não têm emprego, e isso explica a alta empregabilidade, ou estão todos a rumar a outros países.

Quanto aos Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica, onde se inserem os Técnicos de Análises Clínicas, de Farmácia, Radiologia, Fisioterapia, etc..., pelo que encontrei, na maior parte dos cursos, existe menos de 20% de desemprego. Na minha opinião, isto será verdade tendo em conta que a maioria dos empregos que existem são em part-time, onde muitos completam o horário de trabalho com outro part-time numa loja, café...

Portanto futuros caloiros, não caiam em balelas como estas estatísticas.

1 comentário:

  1. Trabalhei na Worten, pessoas com canudo eram a maioria e em áreas de direito a ciências passando pelas artes e afins...
    Podem sempre escolher uma área com empregabilidade mundial...

    ResponderEliminar