Em retrospetiva | 2016


Entrei em 2016 acompanhada pelo meu namorado e os seus irmãos, que também se faziam acompanhar pelas suas respetivas famílias. Gritámos pelo novo ano na lotada Praia dos Pescadores, em Albufeira, enquanto o fogo de artifício iluminava a noite fria.

2016 foi um ano de desafios difíceis e muito exigente. Mas passou e é nas alturas difíceis, em que somos postos à prova, que descobrimos que a nossa coragem, a nossa capacidade de resolver situações complicadas com a força que temos em nós mas que não sabemos que existe até precisarmos dela. As coisas boas acabam sempre por chegar até nós e é a acreditar nisso que a nossa confiança aumenta para passar por mais uma etapa.

Este ano iniciou-se com o meu terceiro estágio profissional, onde depois se seguiram mais dois. Quanto a este terceiro foi talvez o meu pior estágio, foi uma desilusão. Adorava aquela área na faculdade, talvez muito pela grande professora e enorme mulher que tive, muito tenho a agradecer à Selene. Foi neste estágio que me deparei, pela primeira vez, com a maldade de alguns colegas que lá trabalhavam com outros, e também com o negócio do sangue que agora muito tem sido falado.

Em Abril, iniciei aquele que seria o melhor estágio de sempre. Hematologia. Foi por esta área que decidi entrar no meu curso e por ela que me apaixonei cada vez mais. A Helena, a Sandra e a Joana ficaram marcadas por serem as melhores orientadoras que tive ao longo dos cinco estágios, mas nunca esquecendo a maravilhosa equipa do Hospital Garcia de Orta, em Almada, que me fizeram sentir sempre à vontade e confiante com o meu trabalho.

Em Maio, caí em mim. O meu curso estava terminado, findados quatro anos onde fiz amigos para a vida, onde deixava a cidade que ainda hoje considero a minha segunda casa. É impressionante o amor que desenvolvi por Faro, e tenho muita pena de não ter trabalho lá, porque caso tivesse, não pensaria duas vezes. Na benção das pastas chorei baba e ranho. Por todas as fitas que recebi das pessoas mais especiais e pelas que escrevi de coração, por ter comigo neste dia o meu pai, irmão, namorado e alguns dos meus mais adorados primos. Foi emocionante passar este dia, em que chovia torrencialmente, com as duas pessoas que mais marcaram a minha passagem pela Universidade, a Sara e a Catarina. Foi o dia em que vesti o traje pela última vez, que agitei a minha Pasta o mais alto que consegui, o último dia em que cantei e gritei pelo curso. Foi o dia em que ouvi do meu namorado um "Estou tão orgulhoso de ti". Foram quatro anos que não me importava de repetir, tudo culminado no dia 7 de Maio de 2016. Nunca vou esquecer.

Duas semanas depois disse adeus à cidade onde fiz a maior parte dos estágios, Almada. Não posso dizer que gostei de viver lá. A minha vida resumia-se a casa-trabalho-aulas de condução, via o meu namorado todas as noites um bocadinho pelo Skype, e aguardava ansiosamente pelos fins de semana em que ele me ia visitar. Foram meses muito solitários. Tinha passado nove meses numa cidade desconhecida, onde não conhecia nada nem ninguém, mas com isto também aprendi que a apreciar a minha própria companhia.

Em Junho estava oficialmente licenciada, embora também soubesse que com este marco eu teria de voltar para o Alentejo até conseguir um trabalho fora dos campos dourados e das casas baixinhas.

Em Agosto, no dia do meu aniversário, celebrámos o nosso primeiro aniversário de namoro. Em 2016 descobri que era feliz antes dele, mas neste ano também tive a certeza que ao seu lado a minha vida é mais completa, mais bonita. Em 2016 descobri que ele me ama apesar de eu ter um feitio daqueles e que me inclui no seu futuro, ansioso por podermos caminhar como um só.

Em Setembro, comecei a trabalhar na minha área, contactei com o competitivo mercado de trabalho e recebi o primeiro ordenado fruto de um trabalho que gosto de fazer. Percebi também que os planos profissionais que tinha teriam de sofrer alterações e tive coragem para isso. Inscrevi-me num ginásio, o que para mim ainda hoje é um desafio graças ao meu desgraçado metabolismo.

Em Dezembro, ofereci-nos uma viagem a Paris, a nossa primeira viagem juntos. Foi uma viagem de descoberta de como nós seriamos enquanto turistas. Foi ótimo, sem discussões, birras ou discórdias. Com ele foi sempre: vamos onde quiseres, ver o que quiseres e andar os quilómetros que quiseres, que mesmo com cerca de 0ºC eu estarei ao teu lado. Jamais esquecerei, e prometo que um dia quando regressarmos à cidade do amor o nosso cadeado ficará pendurado na margem do rio Sena.

Em 2016, posso garantir que evolui. Passei a ter contas para pagar: água, luz, gás..., evoluí até na minha forma de vestir, de passar o tempo, de escolher que livro ler. Senti-me mais eu que nunca, mais adulta, e sei que também cresci mais do que imaginava. No entanto, fecho este ano que passou com a sensação de que consigo mais.

Para terminar, desejo-vos um ano brilhante e que possam lutar pelos vossos sonhos.

2 comentários:

  1. Que 2017 seja uma ano ainda melhor com mais sonhos e desafios! Fiquei a seguir o blog 😘 ppequenosorriso.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Feliz ano novo e que seja mais um ano de crescimento...

    ResponderEliminar