Cinema | Hidden Figures


Hidden Figures ou Elementos Secretos, em português, foi um filme que realmente gostei de ver por dois motivos, por um lado apresenta-nos bem a segregação racial que se vivia até há bem pouco tempo, uma vez que estamos a falar na primeira metade dos anos 60, bem como a segregação de género. É um tema ainda sensível, no entanto é tratado com humor, e assim não torna o filme pesado. Por outro lado, é uma homenagem a nomes que hoje não são tão conhecidos, mas que foram mulheres que tiveram um papel importantíssimo na NASA.


Toda a história decorre em plena Guerra Fria, nos primeiros anos da década de 1960. Tanto os EUA como a União Soviética lutam, numa corrida espacial, para colocarem o primeiro homem no espaço, e nenhum dos dois países está disposto a perder. Katherine Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson são três brilhantes mulheres afro-americanas, com cargos na NASA, apesar da segregação racial e sexual estar bem presente. Falamos numa época em que os computadores eram bem rudimentares, no entanto, as suas mentes extraordinárias e as suas brilhantes capacidades de cálculo matemático fizeram com que fosse possível colocar o astronauta John Glenn na órbita da Terra, no dia 20 de Fevereiro de 1962. Tornou-se o primeiro norte-americano a realizar esta viagem espacial, quase um ano depois do soviético Yuri Alekseyevich Gagarin o ter conseguido.


O filme foi inspirado na obra biográfica "Hidden Figures - The American Dream and the Untold Story of the Black Woman Mathematicians Who Helped Win the Space Race", e trata-se de uma boa adaptação onde ambos os preconceitos são deitados por terra, e mostra essencialmente a importância da luta pela igualdade e a luta das mulheres, especialmente destas, pelos seus direitos, pois neste caso, a inteligência sobrepôs-se à cor da pele, numa altura em que o facto de nascer mulher e negra era um forte entrave para se atingir o sucesso. Algo que ainda hoje está presente em várias situações.

Um filme bem relatado, sem ser exaustivo, que recorre a imagens da época, tanto dos astronautas como do antigo presidente norte-americano John F. Kennedy e, ao mesmo tempo com vida. Esta, em grande parte, deve-se à boa caracterização da época. O guarda-roupa foi algo que me chamou à atenção e até tem o seu protagonismo no filme, com as três mulheres a darem também cor à NASA, que era tão "branca".


Acho que este filme não poderia ter sido lançado em melhor altura, uma vez que vivemos e esperamos tempos não muito animadores, em termos sociopolíticos.

2 comentários:

  1. Um grande filme :) este e o Moonlight foram os filmes que mais gostei dos nomeados ao oscar. Uma grande história e um abrir de olhos para uma sociedade racista como a americana.

    Bitaites de um Madeirense | STUDIOP.

    ResponderEliminar
  2. Adorei o Blog , adorei o Post , segui !
    thedevillprada.blogspot.pt

    ResponderEliminar