Lisboa | Museu dos Coches

Motivos profissionais levam-me a estar na capital durante esta semana e a próxima, o que significa que o feriado de 25 de Abril foi passado por estes lados, assim como será o feriado da próxima semana. Uma vez que passar o dia enfiada no hotel estava completamente fora de questão, tal não é a minha felicidade quando soube que muitos dos museus da cidade têm entrada gratuita, até uma certa hora, aos domingos e feriados.

Um dos escolhidos para visitar durante a manhã foi o Museu Nacional dos Coches, uma vez que a última vez, e acho que a única, que o fiz foi há certamente mais de 10 anos. Isto relativamente ao "velho" Museu, quanto ao "novo" nunca tinha lá estado. Comecei pelo Picadeiro Real, que é mais pequeno e a visita iria ser mais rápida.

Anexado ao Palácio de Belém, e segundo consta, o edifício construído em 1726 era primitivamente o Picadeiro do Paço de Belém, e por ordem de D. Amélia, mulher de D. Carlos, foi transformado em museu e adquiriu o nome de Museu dos Coches Reaes. Com a implementação da República, passou a designar-se pelo nome que hoje conhecemos.

Numa primeira sala estão expostos coches maioritariamente construídos em Portugal e França, que serviram a realeza da altura, mas também vestuário e algumas pinturas que retratam a época. Na sala seguinte podemos ver em exposição antiguidades que fizeram parte do dia-a-dia dos Bombeiros Municipais de Lisboa, como veículos de combate a incêndios, com escadas ou até para transportar doentes, semelhantes a macas.


Do outro lado da rua, situa-se, num edifício bem maior que o primeiro, o "novo" museu, que foi inaugurado em 2015. Um edifício moderno, diferente do que imaginamos ao pensar em museus e de certa forma minimalista. Na minha opinião, devido à predominância do branco, os dourados e vermelhos característicos daqueles coches ficam em maior evidência e, também devido às maiores dimensões do espaço, comparativamente ao anterior, é possível ter uma vista mais desafogada sobre os mesmos. Aqui, estes são as estrelas!

O espaço ainda conta com alguns pontos interativos onde é possível encaixarmos o coche centenário que temos à nossa frente num enquadramento histórico, que é feito através de pequenos textos e de fácil compreensão, como também de imagens.

3 comentários:

  1. Em pequena era sem dúvida o meu Museu favorito, aliás nunca mais esqueci o termo "liteira" precisamente pelo meu fascínio pela exposição. Contudo, o ano passado decidi revisitá-lo na sua nova casa e fiquei extremamente desiludida. Pareceu-me que enfiaram os coches numa garagem cúbica, branca e austera, sem qualquer toque de realeza ou história. E se concordo que o branco evidencia as cores dos veículos, a crueza do espaço transforma-o em algo sem alma. Ainda assim, acho que os apontamentos interactivos são interessantes e úteis :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente o Picadeiro Real tem outro ambiente, que associamos com maior facilidade ao "antigo", no entanto, não me pareceu que este tom mais moderno fosse "mau", é diferente do que estamos habituados.

      Eliminar
  2. Nunca visitei o Museu, mas sempre tive imensa curiosidade :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar